Arquivo

Archive for the ‘Notícias’ Category

Google estreia banco de dados na nuvem

Sem fazer alarde, o Google acaba de colocar o pé um novo terreno: o de bancos de dados hospedados na nuvem.

O gigante das buscas anunciou no seu blog de pesquisas um banco de dados chamado Fusion Tables, tendo como bandeira principal a facilidade de uso.

“O Fusion Tables não é um sistema de banco de dados tradicional focado em queries complicadas de SQL e processamento de transações”, define o post sobre o novo produto.

A proposta da ferramenta é fundir a gestão de dados com a colaboração, unir múltiplas fontes de dados e discussões sobre eles, consultas, visualização e publicação na web.

Na versão apresentada esta semana, é possível fazer o upload de grupos de dados (por enquanto o limite é de 100MB por conjunto de dados e 250MB por usuário).

É possível abrir todos os dados para colaboração ou manter parte fechada, além de selecionar níveis de compartilhamento com diferentes usuários.

Por enquanto a ferramenta está em fase inicial de testes, mas se o Google entrar com força no segmento poderá desafiar mais um vez gigantes como IBM, Microsoft e Oracle, desta vez em uma nova frente de negócios.

Fonte: Info Online

Anúncios

Nascem as 3 primeiras extensões do Chrome

O Google Chrome deu mais um passo para enfrentar Internet Explorer, Firefox, Safari e Opera. Três extensões experimentais para o navegador já estão na web. Nenhuma delas pode ser chamada de espetacular, muito menos se compara a qualquer um dos milhares de complementos disponíveis para o Mozilla Firefox. Sua criação, mostra, contudo, que o desenvolvimento do browser do Google está avançando a uma velocidade supersônica. Não vai demorar muito até que o software tenha ferramentas suficientes para abocanhar um grande naco do mercado. As três extensões disponíveis na web por enquanto só funcionam na versão para desenvolvedores do Chrome. Ou melhor, funcionavam. Quando o programa evoluiu para da versão 2.0.XX para a 3.0.XX, dois dos três complementos sumiram da barra inferior do browser nos testes que fizemos na INFO: o Subscribe in Google Reader, para assinar RSS, e o BuildBot Monitor. Ainda dá, no entanto, para instalar o útil Gmail Checker, que mostra quantas mensagens estão na caixa de entrada do webmail. Quem optar por fazer isso deve primeiro ativar o canal de desenvolvimento do Chrome, baixando o Chrome Channel Changer – como diria o filósofo Silvio Santos, é por sua conta e risco. Depois, é necessário clicar com o botão direito no atalho do Chrome e, no final do campo “Destino”, acrescentar o termo –enable-extensions. Pronto. É só executar o browser clicando no atalho e entrar na página onde os complementos estão disponíveis. Clique em “Install” e voilà! Ao contrário do Firefox, não é necessário reiniciar para que a extensão funcione. Nos primeiros estágios, todo esse processo era ultracomplicado e dividia-se em intermináveis etapas. Agora, depende de apenas um clique. Para remover o complemento, também não há mistério. Basta digitar chrome://extensions e, depois, clicar em “Uninstall”. E agora, panda vermelho? E agora, Bill Gates?

Fonte: Info Online

Jolicloud – Você nas Nuvens

Estou abrindo com este post uma série de posts sobre este novo tema Computação em Nuvem. O pessoal do Jolicloud em seu manifesto acreditam que a computação em nuvem trata-se de um movimento. Trata-se do barateamento de sistemas computacionais, serviços online tão bons quantos os offline, e preços mais baixos do Mbps trazendo um “movimento” dos arquivos do computador pessoal para a “nuvem”.

Já a um tempo usamos serviços assim (eu, particularmente, utilizo muito os serviços do google), tais como o docs, mail, reader, calendar (todos do google). O dropbox veio para armarzenar os meus arquivos e fazer um sincronismo entre a minha casa e o trabalho. E por último o plugin do Firefox Xmarks joga pra nuvem os meus favoritos do firefox permitindo-me tê-los em qualquer máquina que tenha um firefox e acesso a internet.

Acesso à internet é o ponto chave. Infelizmente na minha cidade (Fortaleza – Ceará) as empresas responsáveis pelo fornecimento do acesso cobram absurdos pelo mesmo. Algo em torno de R$ 100,00 a R$ 120,00 pelo mísero 1Mbps. Mas, fora a minha indignação, vemos a velocidade de acesso aumentar substancialmente. Isso com certeza ditará o movimento sugerido pelo pessoal da jolicloud mais do que o nível de segurança. Este será exigido pelas empresas que resolverem se mudar para a nuvem.

Voltando ao Jolicloud, confesso que gostei muito da interface e achei-a intuitiva. Voltado para os famigerados netbooks. No site temos algumas imagens do SO, o manifesto e o hardware que suportam atualmente. Baseado no Ubuntu Netbook Remix, compatível com Linux, Windows, AIR e com aplicações web têm suporte Flash e Gears para web offline.

Mais informações: Jolicloud

Ubuntu System Panel

Na busca de modificar o menu principal do gnome no ubuntu, achei esta dica no fórum do Ubuntu, muito boa esta dica. Agradeço ao colega que a fez.

“Olá a todos, para quem gosta do Ubuntu System Panel, resolvi traduzir o tutorial de instalação dele, o qual pode ser encontrado aqui:
http://code.google.com/p/ubuntu-system-panel/wiki/Installation

AVISO: Se você estiver rodando o compiz/beryl será preciso definir o foco para “Nenhum” para usar o USP (Ubuntu System Panel).

Para realizar a instalação, é necessário que você possua o Subversion, caso não possua faça o download dele através deste comando:
sudo apt-get install subversion

Crie um diretório para baixar o USP nele, e use o comando cd para ir nele, no meu caso usei a pasta SVN com este comando:
cd Área\ de\ Trabalho/SVN

E use este comando:
svn checkout http://ubuntu-system-panel.googlecode.com/svn/trunk/ ubuntu-system-panel

Este comando irá baixar todos os arquivos do USP, após terminar o download, use este comando para ir para a pasta baixada:
cd ubuntu-system-panel

E para instalar, use este comando:
./usp_update install fresh

Pronto, você instalou com sucesso o USP, agora clique com o botão direito no painel, clique em Adicionar ao painel…, vá até o final da lista e adicione o Ubuntu System Panel.”

Modem para banda larga via rede elétrica vai custar R$ 100

Equipamento, que está sendo desenvolvido na Universidade Federal de Juiz de Fora, será produzido no Brasil para diminuir custos.

Como era se esperar, a oferta de banda larga pela rede elétrica em São Paulo, que será feita pela AES Eletropaulo Telecom, e em Curitiba, feita pela Copel, não são fatos isolados.

A guinada rumo ao PLC depende também do modem. Não é possível imaginar consumidores adotando a tecnológia se o preço não for acessível – hoje, importado, este aparelho custa em torno de 400 a 500 reais.

A Universidade Federal de Juiz de Fora está desenvolvendo um modem nacional com preço de 100 reais e com velocidade atual de 500 MB na camada física.

“A idéia é que seja barato. Queremos uma solução com qualidade, feita em território brasileiro, que facilite a popularização”, conta Moises Ribeiro, coordenador do projeto. Ele acrescenta que a velocidade do modem pode “facilmente” subir para 700 a 750 MB na camada física.

Com a produção nacional de modem, a oferta de banda larga pela rede elétrica poderá ter valores mais acessíveis do que as tecnologias de TV a cabo e ADSL.

Para o projeto, a universidade recebeu pouco mais de 1 milhão de dólares da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos) e parceria de empresas privadas. A produção em escala, relata, deve começar a acontecer em 2010.

O professor Ribeiro destaca que o modem vai funcionar tanto para indoor quanto outdoor. “O seu acoplamento permite isso”, disse. Ele destacou também que “haverá dispositivos para transportar os sinais de ambientes indoor para outdoor”.

Fonte: Computerworld

Criadas imagens quânticas, rumo ao computador quântico

Fibras ópticas transmitem gigantescas quantidades de informação, utilizando fótons individuais. Agora imagine se for possível transmitir uma imagem inteira, formada por bilhões de fótons. E que, se você alterar a cópia dessa imagem que fica na origem, a cópia que chegou ao destino também seja imediatamente alterada, sem necessidade de nenhuma nova transmissão.

Conectadas pela física quântica

São assim as imagens quânticas, demonstradas pela primeira vez por físicos da Universidade de Maryland e do instituto NIST, ambos nos Estados Unidos. Imagens quânticas são pares de padrões visuais complexos, contendo grande quantidade de informação, e que são inextrincavelmente conectadas pelas leis da física quântica.

As duas imagens de cada par são unidas pelo fenômeno conhecido como entrelaçamento quântico. Depois de entrelaçadas, uma das imagens pode ser levada para o outro extremo do Universo, que ela sofrerá as mesmas alterações que forem induzidas na sua “irmã gêmea”. Mesmo sendo duas imagens, elas existem como uma individualidade, não sendo possível falar delas separadamente.

Para fazer as imagens quânticas os cientistas precisaram antes criar dois feixes de luz idênticos que interagem por meio de uma técnica conhecida como mixagem de quatro ondas. Ao contrário de tentativas anteriores, o experimento foi considerado pelos especialistas como extremamente simples, versátil e eficiente.

Aplicações práticas

“As imagens sempre foram o método preferido para a comunicação porque elas carregam muitas informações em seus detalhes,” afirma Vincent Boyer, um dos autores da pesquisa. “Até agora, porém, as câmeras e outros detectores ópticos têm ignorado um monte de informações úteis nas imagens. Tirando vantagem dos aspectos de mecânica quântica das imagens, nós podemos melhorar aplicações que vão desde tirar fotografias de objetos difíceis de se ver até armazenar dados nos futurísticos computadores quânticos.”

“Incertezas” da luz

As fotografias convencionais guardam apenas a cor e a intensidade da luz que incide sobre os sensores (ou sobre os antigos filmes fotográficos). Já a holografia guarda uma informação adicional: a fase da onda, os pontos precisos dos picos e dos vales das ondas de luz.

Só que uma onda de luz é muito mais rica e possui muito mais propriedades do que essas. Mesmo os mais precisos feixes de raios laser apresentam variações sutis porque, como demonstra a mecânica quântica, a luz possui algumas “incertezas” inerentes à sua estrutura. Essas incertezas se apresentam como flutuações nas propriedades do feixe de luz ao longo do tempo – o chamado “ruído”.

É o controle dessas flutuações que permitirá aos cientistas detectar objetos de luz muito fraca, produzir imagens ampliadas de melhor qualidade e produzir raios laser muito mais precisos do que os atuais.

Imagens quânticas congeladas

Vislumbrando futuras aplicações também no campo da computação quântica, os cientistas agora querem “congelar” a luz de suas imagens, produzindo imagens quânticas com luz que viaja a velocidade menores do que a velocidade normal da luz.

Essas imagens quânticas congeladas poderão ser úteis para o armazenamento e processamento de informações em futuros computadores quânticos ou ópticos (veja Cientistas aprisionam arco-íris no interior de um metamaterial).

Fonte: Inovação Tecnológica

MS lança software de virtualização

26 junho, 2008 1 comentário

A Microsoft disse nesta quinta-feira que iniciou as vendas de seu novo software de virtualização de servidor seis meses antes do planejado, colocando, assim, pressão na VMware, que é a líder do segmento.

O software de virtualização de servidor permite que uma máquina trabalhe como vários servidores, proporcionando economia em equipamento, eletricidade, manutenção e outros custos.

Clientes da MS podem baixar o produto, o Hyper-V, diretamente de seu site, disse a empresa.

A entrada da MS no mercado de virtualização dará aos consumidores da VMware mais poder de barganha, disse Laura Didio, analista do Yankee Group.

“Os produtos da WMware têm ótima funcionalidade mas vêm com preço alto”, disse ela.

“Eu sempre aconselho às empresas a brigar por preços quando negociarem com as companhias de software”, disse Didio. “O mercado está para os compradores.”

A VMware domina quase que absoluta o mercado de software de virtualização. A EMC possui 86% da empresa. Seus competidores são a Oracle, Citrix Systems, Virtual Iron e Parallels.

Fonte: Info Online