Arquivo

Posts Tagged ‘Ubuntu’

Google Chrome Ubuntu

Para que está afim de instalar este maravilhoso browser no seu ubuntu segue o procedimento:

Faça o download de um dos links abaixo:

Crie uma pasta plugins em /opt/google/chrome:
sudo mkdir /opt/google/chrome/plugins
e rode o seguinte comando:
sudo ln -sf /usr/lib/flashplayer-mozilla/libflashplayer.so /opt/google/chrome/plugins/
Agora clque com o botão direito em Aplicativos e clique em Editar Menus. Procure o ícone do Google Chrome e clique duas vezes nele.
Troque
/opt/google/chrome/google-chrome %U
Por
/opt/google/chrome/google-chrome  –enable-greasemonkey –enable-user-scripts –enable-extensions –enable-plugins %U
Assim o seu Google Chrome rodará o famigerado pluguin flash. Só uma observação que ocorre após a instalação do google chrome que é adicionado um repositório do google para a atulização do browser.
Boa Sorte!
Anúncios

Mac Menu (Ubuntu)

22 janeiro, 2008 5 comentários

Installation instructions

Packages

For i386

[WWW] http://rapidshare.com/files/70248395/GutsyOSX.tar.bz2.html

Installation:

NOTE: At no time during this should there be Error messages. If there are try not to restart your system until any errors are resolved. Look for further help posting your Error message here:

[WWW] http://ubuntuforums.org/showthread.php?t=241868

Step 1:

Download the GutsyOSX file above. Extract it to your desktop so you have a GutsyOSX folder on your desktop containing 3 folders.

Step 2:

Install all the dependencies which is where most of you are having trouble. Go to Terminal and Copy & Paste the following:

Code:

sudo aptitude install liborbit2-dev libgnomeui-dev libglade2-dev libbonoboui2-dev libglib2.0-dev libpango1.0-dev libatk1.0-dev libcairo2-dev libx11-dev libxext-dev libxinerama-dev libxi-dev libxrandr-dev libxcursor-dev libxfixes-dev libxcomposite-dev libxdamage-dev libcairo-directfb2 libcairo-directfb2-dev libcairo2-dev

Step 3:

Install all the deb packages. In terminal Copy & Paste the following 3 commands:

Code:

sudo dpkg -i ~/Desktop/GutsyOSX/applet/macmenu-applet_0.1-2_i386.deb
sudo dpkg -i ~/Desktop/GutsyOSX/GTK/*.deb
sudo dpkg -i ~/Desktop/GutsyOSX/gnome-panel-no-arrows/*.deb

Step 4:

Restart your system then right click on the taskbar where you want the mac menu, then choose Add to Panel and select the Mac Menu.

Lastly a big thanks to Hal9000/2 and everyone else involved for your fine work.

latest Update: 17.11.2007 – By Hal9000/2, post #1176 supports gnome 2.20.1

Categorias:HowTo's, Linux, TI Tags:, ,

Ubuntu Paradise, um ubuntu perfeito com tudo que necessito genericamente.

Estou preparando um passo-a-passo de tudo que tenho de fazer para meu desktop usando GNOME e Ubuntu Gutsy ficar perfeito para meu uso generico, isto é, assim que termino de instalar o Ubuntu, tenho de instalar esse passo-a-passo para ter o desktop pronto para uso por qualquer pessoa. Vale lembrar que o perfeito genericamente para mim, pode excluir algumas ferramentas que seriam perfeitas para você, por essa razão esse passo-a-passo não será perfeito para todos, e apenas inclui personalizações mínimas pós-instalação.

Ao completar a instalação do Ubuntu, eu sigo estes passos :

1) Abra o terminal do gnome como `root`, dê um ALT+F2 e execute “gksu gnome-terminal”.

2) Expandindo a lista de repositórios

Carregue o synaptic, vá em Sistema->Administração->Gerenciador de Pacotes Synaptic. Dentro do Synaptic acesse o menu Configurações->Repositórios, na guia “Programas do Ubuntu” deixe marcados os seguintes repositórios acessados pela internet :

  • programa de código aberto mantido pela canonical (main)
  • programa de código aberto mantido pela comunidade (universe)
  • controladores proprietarios para dispositivos (restricted)
  • softwares restrito por copyright ou problemas legais (multiverse)

Agora vá na guia “programas de terceiros”, e clique no botão “+ Adicionar” e informe a seguinte linha :

deb http://download.tuxfamily.org/syzygy42 gutsy avant-window-navigator

repita a operação e adicione também :

deb-src http://download.tuxfamily.org/syzygy42 gutsy avant-window-navigator

Outro método para acrescentar repositórios de terceiros é a edição direta do arquivo /etc/apt/sources.list, para fazer desse jeito você teria de executar no terminal : “gedit /etc/apt/sources.list” e acrescentar no final deste arquivo as seguintes linhas :

## Avant Window Navigator
#wget http://download.tuxfamily.org/syzygy42/reacocard.asc
#sudo apt-key add reacocard.asc
deb http://download.tuxfamily.org/syzygy42 gutsy avant-window-navigator
deb-src http://download.tuxfamily.org/syzygy42 gutsy avant-window-navigator 

Salvar o arquivo e sair do editor. Qualquer uma das duas formas dará certo.

Após ter fechado o Synaptic, execute no terminal :

cd /tmp
wget http://download.tuxfamily.org/syzygy42/reacocard.asc
apt-key add reacocard.asc
apt-get update
apt-get -y dist-upgrade

Isso irá atualizar a base de dados com uma nova relação de programas disponiveis.

3) Desabilitando suporte ao IP v6 (opcional)

O Ubuntu Gutsy já vem pré-configurado para usar IP v6, no entanto, algumas pessoas tem se queixado de mal funcionamento da rede ou simplesmente perda de performance. Eu não sei responder se isto esta certo ou não, só sei que muitos de nós não usamos ainda essa nova versão desse protocolo, então não fará diferença se a desabilitarmos. Para desabilitar o suporte ao IP v6 :

Dê um ALT+F2 e execute “gksu gedit /etc/modprobe.d/aliases”

procure pela linha :

alias net-pf-10 ipv6

e troque por essas duas linhas :

#alias net-pf-10 ipv6

alias net-pf-10 off

Salve o arquivo e saia do Editor. Pronto !

Essa sugestão foi aceita de Sérgio Luiz Araújo Silva (http://vivaotux.blogspot.com/).

4) Aumentando a vida útil do HD

Se voce está usando um notebook, eu recomendo fortemente que voce leia este artigo :

http://alexblog.eeol.org/linux/aumentando-a-vida-util-dos-hds/

Ocorre que o Linux usa parametros delineado pelos fabricantes para gerenciamento de energia, no entanto, tais especificações diminuem drasticamente a vida útil dos HDs. Mesmo quem não use um notebook, mas tenha o gerenciamento de energia habilitado em seu PC deve ler o artigo e vê se aplica-se ao seu caso.

5) Vá em Sistema->Administração->Gerenciador de drivers restritos, e…

Habilite todos os drivers que não estiverem ainda habilitados, no meu caso, aparece na relação a placa de video NVIDIA que quando habilitada dará suporte ao compiz, não sei se isso ocorre com INTEL/ATI :

Habilitando os drivers restritos no Ubuntu Gutsy

Após esse procedimento, um reboot será requerido.

6) Após o boot e login inicial, novamente um ALT+F2 e execute “gksu gnome-terminal”.

Isso fará com que os procedimentos a seguir não necessitem mais do sudo. Alguns comandos a seguir podem até usar o sudo na frente do nome, porque afinal este artigo a reunião de outros artigos também, mas como eu disse voce pode desconsiderar o sudo quando abrir o gnome-terminal precedido do gksu.

7) Instalação de alguns componentes do compiz

Execute no terminal :

apt-get install compizconfig-settings-manager gnome-art usplash startupmanager

Agora vá em Sistemas->Preferências->Aparência, a seguir escolha a guia “Efeitos Visuais” e escolha e habilite a opção “Personalizado”, a seguir clique no botão “Preferências GTK” , isso fará surgir o CCSM (Sistema de Configuração do Compiz) e alguns ajustes serão importantes :

7.1) Procure e clique em General Options (opções gerais), vá até a guia Desktop Size e mude a opção Tamanho Virtual Horizontal de 2 (padrão) para 4. Isso fará com que o Cubo possa ser representado por 4 lados. Feito isso então clique no botão Voltar, a sua esquerda :

desktop-perfeito-ccsm-general.png

7.2) Ainda no CCSM, apenas habilite os seguintes plugins :

Na seção “Acessibility”, ative os plugins :

  • Zoom Melhorado, muito bom para dar zoom na tela.

Na seção “Desktop”, ative os plugins :

  • Alternador de Viewport
  • Cubo da Área de Trabalho (isso irá desativar o plugin Muro das Áreas de Trabalho)
  • Expo
  • Girar o Cubo

Na seção “Effects”, ative os plugins :

  • Animações (dentro dele faça a escolha dos eventos e suas respectivas animações)
  • Decoração da Janela
  • Efeito Aquatico (após habilitação poderá ser visto com ALT+F9)
  • Janelas esmaecidas
  • Janelas instáveis
  • Reflexão do Cubo

Na seção “Image Loading”, habilite todos os plugins (JPEG, Png, SVG e Texto)

Na seção “Utility”, habilite as opções :

  • Coberturas Cubo
  • Correções
  • DBus
  • Informação do Redimencionamento
  • Regex Matching
  • Video Playback

Na seção “Window Management”, ative os plugins :

  • Ações Extras do gestor de janelas
  • Agrupar e criar tabs de Janelas (muito eficiente para quem usa o gimp e vários desenhos abertos)
  • Alternador Shift, dentro desse plugin mude o modo alternador de capas para flip.
  • Alternador de aplicativos
  • Colocar Janelas
  • Dimencionar
  • Mover janela

Na seção “Sem Categoria”, ative os plugins :

  • Redimensionar Janela

Os demais plugin devem ser desativados, especialmente o plugin Janelas Atraídas que causa uma tremedeira quando voce arrasta uma janela onde as bordas das janelas alcançam os limites de tela.

Skydome

Skydome são papeis de parede que só aparecem em algumas animações do compiz, por exemplo, ao girar o cubo.

Acesse essa página :

http://www.noersville.yw.sk/skydomes/games/doom3/D3_DELTA_PORTAL.png

Esse é um Skydome animado, qual a diferença ? O Skydome animado contém uma imagem no formato panoramico (WideScreen) e serve para quando você girar o cubo a imagem skydome deslocar também, um efeito muito bonito. Enquanto o skydome normal a imagem permanece estática. Salve a imagem acima numa pasta de fácil localização.

Agora vá no menu do GNOME em Sistema->Preferência->Aparência, escolha a guia Efeitos Visuais, então clique no botão Preferências GTK. Esse procedimento novamente carregará o CCSM, clique em Cubo da Área de Trabalho e depois selecione a guia “Apperance”. Lá em baixo voce encontrará a sessão Skydome, abra-a e então :

Skydome -> mantenha habilitado

Imagem do Skydome -> clique no botão ao lado e selecione o arquivo D3_DELTA_PORTAL.png

Animar Skydome -> mantenha ligado

Ainda há algumas opções de transparencias, mas vou deixar que voce consiga encontra-la.

Clique no botão Voltar e feche o CCSM.

Para testar segure a tecla CTRL+ALT+Botao esquerdo do mouse e movimente o mouse para os lados.

Esse é apenas um aspecto do compiz pouco divulgado, ainda há outros como por exemplo configurar as imagens que tampam o cubo (cups) . Um recurso interessante é instalar o plugin rain e fazer chover na área do seu desktop, só que nesse caso você escolhe os sprites que pretende usar, dessa forma voce pode fazer chover pingos dagua, oras trovões, oras nevar, oras folhas de árvores, cada uma dessas possibilitando sprites diferentes combinadas entre si, enfim as possibilidades são muitas. Vou guardar este recurso para quando chegar dezembro e querer fazer nevar na minha tela. 🙂

Pronto, Compiz-reconfigurado !

8) Atualize o dicionário do OpenOffice 2.3 no Ubuntu Gutsy

Por que fazer isso ? Porque simplesmente o dicionário que acompanha o Ubuntu é pobre. Vamos por a mão na massa :

8.1) Baixe o arquivo-dicionário pt_BR-AAAA-MM-DD.zip de http://www.broffice.org.br/verortografico

8.2) Descompacte-o numa pasta fácil de lembrar depois.

8.3) Verifique onde ficam os dicionários do OpenOffice no seu sistema, a localização desse dicionário antigamente dava-se sempre no diretório de instalação do OpenOffice, porém isso mudou agora que o mesmo dicionário pode servir para várois aplicativos diferentes. Se voce quer saber onde fica o dicionário PT_BR em seu sistema, execute no prompt :

$dpkg -S pt_BR.dic  pt_BR.aff 
 myspell-pt-br: /usr/share/myspell/dicts/pt_BR.dic
 openoffice.org-hyphenation: /usr/share/myspell/dicts/hyph_pt_BR.dic
 myspell-pt-br: /usr/share/myspell/dicts/pt_BR.aff 

Parabens ! Agora sabemos que ele fica em /usr/share/myspell/dicts/ e sabemos até qual foi o pacote que proporciono-o, isto é, “myspell-pt-br” . Se a execução do comando acima não retornou nada para você então é porque não instalou os dicionários, use o Synaptic e confira a presença do pacote “myspell-pt-br”.

O problema com essa atualização manual é que sempre que ocorrer atualizações automáticas, o dicionário substituído voltará a ser o que era antes. O correto era o time do Ubuntu atualizar logo este pacote. Por isso, reclame :

https://bugs.launchpad.net/ubuntu/+source/br.ispell/+bug/108899

8.4) Copie os arquivos que foram descompactados para o diretório encontrado no passo anterior :

 sudo  cp   pt_BR.aff   pt_BR.dic   /usr/share/myspell/dicts/

Obviamente o exemplo acima é para atualizar os dicionários PT_BR, a atualização PT_PT e ES_CL é similar, apenas os nomes dos arquivos mudam.

Feito. Reinicie as aplicações que reutilizam esse dicionário como o Firefox, thunderbird e OpenOffice só para citar alguns e para ter o completo funcionamento do dicionário.

9) Ferramentas de programação básicas

Execute no terminal :

apt-get -y install module-assistant debhelper dpkg-dev gettext \
       html2text intltool-debian patch po-debconf dh-make debian-keyring build-essential

Ainda mais programas :

apt-get -y install automake  autoconf autotools-dev m4 libtool

10) Instalando um gerenciandor de area de clipboard

É muito ruim você ser surpreendido por um CTRL+V que foi perdido ou substituído por outro. Por isso é sempre recomendável que voce instale um gerenciador de area de clipboard. Devido à sua importância, eu não entendo porque um gerenciador destes não é instalado por padrão no GNOME, enfim, o programa usado para essa tarefa é o glipper. Portanto, execute no terminal :

sudo apt-get -y install glipper

Coloque o glipper para iniciar automaticamente, faça assim vá no menu do GNOME->Sistema->Preferencias->Sessões, então clique no botão “Adicionar” e preencha os campos nome, comando e comentario com glipper :

programando o glipper para iniciar automaticamente.

11) Instalando compactadores e descompactadores

É muito ruim você ser surpreendido por um usuário daquele outro sistema operacional por não estar conseguindo descompactar um tipo de arquivo, é vital gerenciar todo o tipo de arquivo e com arquivos compactados é perda de tempo ter que instala-los sob demanda, pois você pode ser surpreendido num momento onde a internet pode estar indisponível para completar sua instalação. Portanto, execute no terminal :

sudo apt-get -y install unace rar unrar zip unzip p7zip-full p7zip-rar \
  sharutils aish uudeview mpack lha arj cabextract file-roller

12) Instalando mais tipos de fontes de caracteres :

Estou incluindo uma vasta lista, porém você não precisa de todos estes, uma pessoa mais técnica instalaria apenas as que fossem provável ele utilizar :

Criando um diretório que sempre é referido no xorg.conf, mas que nunca foi criado pela distro :

mkdir -p /usr/lib/X11/fonts/Type1

Instalando fontes conhecidas do mundo mswindows :

sudo apt-get -y install msttcorefonts

Instalando novas fontes do mundo Linux :

sudo apt-get -y install ttf-larabie-straight ttf-larabie-deco \
  mplayer-fonts xfonts-terminus-dos xfonts-terminus \
  xfonts-terminus-oblique xfonts-mona tv-fonts ttf-tuffy ttf-sjfonts \
  ttf-sil-padauk ttf-sil-ezra ttf-paktype ttf-georgewilliams \
  ttf-fifthhorseman-dkg-handwriting ttf-farsiweb \
  ttf-essays1743 fonty ttf-opensymbol ttf-nafees ttf-mgopen ttf-gentium \
  ttf-freefont ttf-dustin ttf-devanagari-fonts ttf-dejavu-extra \
  ttf-dejavu-core ttf-dejavu ttf-bpg-georgian-fonts ttf-bitstream-vera ttf-alee

Instruções para instalar mais fontes você encontrará também nesses links :

http://ubuntuforum-br.org/index.php/topic,25857.msg147389.html#msg147389

http://www.programaslivres.net/2007/12/20/instalar-liberation-fonts-de-forma-facil

13) Multimidia

Para ter o Ubuntu como uma plataforma de multimidia, isto é, tocando todos os formatos de audio e video, é preciso instalar todos os codecs mais conhecidos e os menos conhecidos, instalemos primeiros os que já possuimos no repositório, execute no terminal :

13.1) Pacotes comuns que devem ser instalados :

sudo apt-get -y install mpeg2dec a52dec vorbis-tools id3v2 mpg321 mpg123 \
       libswfdec0.3 libflac++6 ffmpeg \
       cdda2wav toolame libmp4v2-0 totem-mozilla \
       libmjpegtools0c2a tagtool easytag id3tool \
       lame lame-extras nautilus-script-audio-convert \
       mozilla-helix-player  helix-player \
       libmad0 libjpeg-progs libmpcdec3 libquicktime1 \
       flac faac faad sox toolame  a52dec ffmpeg2theora \
       libmpeg2-4 uudeview flac  libmpeg3-1 mpeg3-utils mpegdemux

13.2) Codecs para o backend gstreammer 0.10

sudo apt-get install -y gstreamer0.10-ffmpeg gstreamer0.10-fluendo-mp3 \
  gstreamer0.10-fluendo-mpegdemux gstreamer0.10-gl \
  gstreamer0.10-gnonlin gstreamer0.10-pitfdll \
  gstreamer0.10-plugins-bad gstreamer0.10-plugins-farsight \
  gstreamer0.10-plugins-ugly gstreamer0.10-sdl \
  gstreamer0.10-plugins-bad-multiverse gstreamer0.10-schroedinger \
  gstreamer0.10-plugins-ugly-multiverse totem-gstreamer

13.3) mais programas para o gstreamer (opcional)

sudo apt-get -y install gstreamer-dbus-media-service gstreamer-tools

13.4) Suporte ao formato flash da Macromedia

mkdir -p /usr/lib/X11/fonts/Type1

sudo apt-get -y install gsfonts gsfonts-x11

sudo apt-get -y flashplugin-nonfree

13.5) Suporte ao formato flash da GNU

sudo apt-get -y remove flashplugin-nonfree
sudo apt-get -y install gsfonts gsfonts-x11 gnash mozilla-plugin-gnash

13.6) Instalando o tocador VLC+plugins (ótimo para dvix e dvd)

sudo apt-get -y install  vlc vlc-nox vlc-plugin-alsa vlc-plugin-sdl vlc-plugin-svgalib

13.7) Instalando o tocador aviplayer+plugin (eu não gosto, mas outros acham o máximo)

sudo apt-get -y install avifile-player avifile-utils avifile-mad-plugin avifile-mjpeg-plugin \
avifile-vorbis-plugin avifile-win32-plugin avifile-xvid-plugin \
avifile-win32-plugin avifile-divx-plugin avifile-utils \
avifile-xvid-plugin avifile-divx-plugin xvid4conf \
avifile-mjpeg-plugin avifile-vorbis-plugin avifile-mad-plugin

13.8) Instalando o tocador/backend MPlayer (meu preferido)

sudo apt-get -y install  mplayer mplayer-fonts mplayer-skins mencoder

Antes de tocar algo no mplayer, faça ajustes na configuração dele, clique com o botão direito sobre a tela de exibição e escolha “Preferências”, na guia “Video” o driver mais coerente para quem usa uma placa NVIDIA é “gl2″. Também na guia “Fonts”, o ideal é usar o encoding Western European Languages (ISO-8859-1) por causa da maioria dos formatos de legendas encontrados na internet :

Ajustando o Mplayer na guia “Video”Ajustando o Mplayer na guia “Fonts”

13.9) Instalando o tocador/backend XINE (outro concorrente de peso)

sudo apt-get -y install xine-ui gxine libxine1-plugins libxine1-ffmpeg

13.10) Escolha o backend que voce usará para tocar formatos multimidia usando o totem :

Totem é o tocador padrão do GNOME, ele é muito bom, mas é apenas um frontend, isto é, uma interface para interagir com o usuário. A tarefa grossa de codificar/decodificar os vários formatos fica por conta de um backend. Existem duas opções de backends disponíveis : gstreammer (padrao) ou xine. Antes havia uma terceira opção usando o mplayer, mas esta opção desapareceu misteriosamente no Ubuntu Gutsy :

Se voce prefere que o Totem use o XINE como backend :

sudo apt-get -y install totem-xine  (totem-gstreamer será removido)

Se voce prefere o Totem usando gstreammer :

sudo apt-get -y install totem-gstreamer (totem-xine será removido)

Escolha apenas um dos backends acima, não tente instalar ambos.

13.11) Escolha do backend que será usado ao tocar formatos multimédia via browser (firefox) :

Primeiro remova o backend que voce estava usando, como não sei qual era, então desinstalo todos que conheço :

sudo apt-get -y remove totem-mozilla mozilla-mplayer xine-plugin gxineplugin mozilla-plugin-vlc

Após isso, instalo uma das opções :

Totem (padrao, falha muitas vezes, globo.com nem pensar) :

sudo apt-get -y install totem-mozilla

MPlayer (meu preferido, toca audio/video sob streamming como o globo.com) :

sudo apt-get -y install mozilla-mplayer

Xine :

sudo apt-get -y install xine-plugin gxineplugin

VLC :

sudo apt-get -y install mozilla-plugin-vlc

Alerta : Não tente instalar todos acima, pois não funcionará.

13.13) Caso tenha escolhido o mozilla-mplayer para tocar seus videos na internet

Acesse alguma página que conhenha videos, eu recomendo o globo.com.

Quando estiver tocando o video, voce poderá fazer alguns ajustes, clique com o botão direito e escolha “Configurar” :

Configurando o mozilla-mplayer

Após isso, uma janela de ajustes será apresentada :

Configurando o mozilla-mplayer, tela de ajustes

As opções são básicas, porém importantes :

Saída de Video : Use “g” somente se está usando alguma placa de video com a aceleração habilitada, caso contrário opte por “x11″.

Saída de Audio : Use “alsa”

Salvar em : Qualquer pasta onde gostaria de salvar seus vídeos.

Existem outras dezenas de opções, mas as opções acima serão suficientes. Se apesar dos ajustes acima, voce ainda não estiver ouvindo som, provavelmente é um problema com o seu mixer que está impedindo a saída de som. Se ainda não estiver saindo videos, nesse caso o problema são os codecs, eles podem estar instalados, porém dependendo da combinação com outros pacotes podem deixar de funcionar, é por exemplo, o caso de alguns que instalaram o mplayer, mas depois instalaram o xine, mas os codecs eram para o mplayer, essa “mistureba” as vezes é sinal de encrenca.

13.14) RealPlayer (.rmvb)

Sim, o formato .rmvb pode ser tocado diretamente pelo mplayer, no entanto alguns preferem toca-los diretamente no realplayer. Até a versão do Ubuntu Dapper, a Canonical mantinha-o no repositório “comercial”, atualmente o repositório comercial não conta mais com ele. Minha recomendação para aqueles que preferem usar o realplayer para tocar o formato .rmvb é baixa-lo diretamente do sítio Real.com, eis um caminho simples :

a) Vá até a página “http://www.real.com/linux” e baixe a versão mais recente cujo nome “atual” é RealPlayer10GOLD.bin, salve-o numa pasta que voce venha a recordar o local.

b) Abra um Terminal e execute nele :

sudo apt-get install libstdc++5  sudo chmod a+x /onde/voce/baixou/RealPlayer10GOLD.bin  sudo  /onde/voce/baixou/RealPlayer10GOLD.bin

O procedimento de instalação é rápido e descomplicado.

A seguir você já poderá ver o realplayer em Aplicações->Som e Video->RealPlayer 10.

13.15) Codecs proprietários e protegidos :

a) Agora vamos instalar aqueles codecs que são considerados proibidos em alguns países por conta de patentes de software, aqui no brasil não temos essa restrição. O pacote que será instalado a seguir também acrescenta codecs especialistas em tocar formatos especificos da plataforma windows :

wget -vc http://www.debian-multimedia.org/pool/main/w/w32codecs/w32codecs_20071007-0.1_i386.deb
sudo dpkg -i  w32codecs_20071007-0.1_i386.deb

Dica : Voce pode fazer o download pelo browser e abrir o .deb com o instalador de pacotes GDebi.

b) O dvdcss é responsável por tocar DVDs sem qualquer restrição DRM, como por exemplo, tocar DVDs de qualquer região :

sudo apt-get install  libdvdread3

sudo /usr/share/doc/libdvdread3/install-css.sh

Ok. Parabens ! Codecs principais foram instalados e agora podemos tocar DVDs tranquilamente.

14) Utilitários de composição de dvd/videos

sudo apt-get -y install cdrdao vcdimager mjpegtools vcdtools transcode

sudo apt-get -y install movixmaker-2 normalize-audio mp3gain

15) Gravação de CD/DVD

O Nautilus já grava nativamente CD/DVD de dados ou Audio, no entanto, faltam-lhe alguns recursos como gravação multisessão, se voce vez por outra vai querer usar multisessão ou tantas outras opções inexistentes no nautilus, recomendo instalar mais um programa de gravação de CD/DVD. Na minha modesta opnião o K3B ainda é o melhor :

sudo apt-get -y install k3b libk3b2-mp3 k3b-i18n

O efeito colaterial em instalar o K3B no GNOME é que muitas bibliotecas do KDE serão baixadas também. A segunda melhor opção e satisfaz quem não quer bibliotecas do KDE instaladas no GNOME é o brasero :

sudo apt-get -y install brasero

16) Instale o Java

Java é requerido para rodar alguns programas populares incluindo ferramentas de programação e programas p2p. Para instalar no seu sistema :

sudo apt-get -y install equivs ttf-sazanami-gothic ttf-sazanami-mincho

sudo apt-get -y install sun-java6-bin sun-java6-fonts sun-java6-jre sun-java6-plugin

Sabidamente alguns programas java simplesmente não funcionam com as animações do Compiz, você pode contornar isso da seguinte forma :

Modifique o arquivo de configuração /etc/enviroment, execute no terminal :

gedit /etc/environment

e a seguir acrescente a linha no final deste :

AWT_TOOLKIT=MToolkit

Outra possibilidade é acrescentar a linha acima apenas nos scripts que carregam os programas Java problemáticos, mas isso só para quem já tem familiaridade com o Linux.

17) Complementos para o Firefox indispensáveis

Alguns complementos para o Firefox são tão importantes que simplesmente não consigo -na realidade não quero- usar o Firefox sem eles :

Fission – Uma barra de progresso unificada com a barra de URL

Flashblock – O único método que eu conheço para bloquear as animações em flash que flutuam na página atrapalhando a leitura.

ScreenGrab – Este também é o único método de salvar uma página de internet em formato .png, mantendo todas as características.

No Ubuntu Gutsy normalmente o complemento chamado “ubufox” é instalado por padrão, ele permite algumas integrações do Firefox com o Ubuntu. Se você quiser um Firefox genuíno você simplesmente desinstala este pacote, eu mantenho-o instalado porque simplesmente gostei das modificações que fizeram.

18) Instalando backends para uso de mapeamento de unidades de rede

Execute no terminal :

sudo apt-get install -y smbfs sshfs

Edite o arquivo /etc/modules e acrescente o módulo ‘fuse’, execute no terminal :

sudo gedit /etc/modules

Acrescente a seguinte linha :

fuse

Salve o arquivo e saia ! A seguir acrescente os logins que poderão montar unidades de rede ao grupo ‘fuse’ :

sudo adduser [login] fuse

Mas ainda é necessário configurar o arquivo /etc/fuse.conf para permitir que um usuário comum possa realizar mapeamento. Portanto execute no terminal :

gedit /etc/fuse.conf

e acrescente a seguinte linha no final deste arquivo :

user_allow_other

Agora, um usuário comum poderá realizar mapeamento de unidades remotas, seja através do fstab como também via nautilus. Se quiser fazer um teste, acrescente no seu fstab :

sshfs#nomedousuario@IP.DO.SERVIDOR.SSH:/pasta/qualquer /media/pasta fuse rw,users,user,nosuid,noauto,nodev,allow_other,umask=000 0 0

A instrução ‘noauto’ é requerida porque ao montar essa unidade será solicitada a senha deste usuário, e se a montagem ocorrer no momento de boot isso não será possivel. Se voce quiser realmente monta-las automáticamente terá de seguir o artigo : http://hamacker.wordpress.com/2007/03/12/montar-pastas-remotas-usando-sshfs-e-sem-senhas.

No GNOME 2.20 há um bug que não permite que unidades remotas SSH sejam montadas a partir do fstab, este BUG já está documentado em :

https://bugs.launchpad.net/ubuntu/+source/nautilus/+bug/158973

Se voce é afligido por esse BUG, então reporte o seu comentário ao link acima, quanto mais pessoas reclamarem, mais atenção será dada ao problema.

19) Frontend gráfico para cliente de FTP

Antes eu usava o gftp como cliente de ftp no linux e o filezilla no Windows, depois que o FileZilla ganhou uma versão para Linux agora uso apenas ele para FTP, ele também serve para transferencia sshfs, porém para este caso eu prefiro o nautilus (ssh://) :

sudo apt-get -y install filezilla filezilla-locales

As vantagens do FileZilla :

  • Fácil de usar
  • Suporta FTP, FTP sobre SSL/TLS (FTPS) e SSH File Transfer Protocol (SFTP)
  • Multiplataforma, suporta Windows, Linux, *BSD, OSX e alguns outros.
  • Muitos idiomas suportados, incluindo o português-brasil.
  • Suporta recuperação (resume) e transferencia de arquivos maiores que 4GB
  • Poderoso para administrar sítios e transferencia de arquivos baseado em filas
  • Suporte a Arrastar e Soltar (Drag & drop)
  • Limites de velocidade configurável
  • Filtros em nomes de arquivos
  • Assistentes para configuração de rede

20) Frontend gráfico para cliente de TELNET e SSH

Na realidade por eu usar muito o terminal, sempre uso o próprio ssh e telnet na linha de comando, no entanto, quando já estou na interface gráfica uso o Putty, ele é um cliente de TELNET/SSH que permite fazer algumas configurações que via terminal não é simples. É muito útil especialmente para rodar programas para Linux em outros servidores, tenho alguns programas desse tipo que usam combinações como CTRL+N para acessar alguns menus próprios, mas que são capturados pelo GNOME. Já com o Putty, é possivel configurar o teclado, a impressora, aparencia, cursor, tipo de conexão, etc… que seria muito complexo via terminal. Para instalar :

sudo apt-get -y install putty putty-tools

O Putty possui versão para praticamente todas as plataformas.

21) Cliente de BitTorrent

Ultimamente tenho me virado bem com o transmission, ele tem poucos recursos, apesar disso é bom no que faz, especialmente em fazer downloads e servir peers. Experimente também :

sudo apt-get -y install transmission

Se voce usa algum firewall libere a porta 9090. Se voce usa um roteador (eu uso em casa um DLink DI-524) é obrigatório rotear as portas 9090 para o ip de sua máquina.

22) Mensageiro instantâneo Pidgin (ex-Gaim)

O pidgin é instalado por padrão e é bom para quem não deseja usar a webcam, porém com alguns plugins habilitados fica melhor ainda :

apt-get install -y pidgin-extprefs pidgin-guifications pidgin-libnotify pidgin-plugin-pack

Carregue o pidgin e configure sua primeira conta, na tela principal do Pidgin vá em Ferramentas->Plugins e habilite estes plugins :

Gestor do Mouse – Fornece gestos ao mouse
Historico – Mostra as conversas gravadas recentemente. Em Ferramentas->Preferencias na guia “Logs”, aopção Registrar todas as mensagens instantaneas deverá estar habilitado.
Minimizar enquanto ausente – dispensa comentários
Modo Psíquico – Exibe um ícone detalhando que uma mensagem do outro lado está sendo digitada
Notificação de Mensagens – dispensa comentários
Notificação do Status do Contato – Notifica a mudança no status de um contato (online, offline,…). É otimo quando voce precisa ser notificado que Fulano está online.
Popups libnotify – Mostra mensagens e notificações via balões a partir da bandeja do sistema

23) Exibindo novos ícones na área de trabalho

Para exibir ícones na area de desktop como “Meu Computador”, “Minha Pasta Pessoal”, “Servidores de Rede” e “Lixeira”, faça assim, dê um ALT+F2 e execute “gconf-editor” e a seguir procure por essa chave apps->nautilus->desktop e habilite as seguintes entradas conforme sua necessidade de exibir tais ícones na area de desktop :

  • Computer Icon Visible = Meu Computador
  • Home Icon Visible = Minha Pasta Pessoal
  • Network Icon Visible = Servidores de Rede
  • Trash Icon Visible = Lixeira

24) Skype

Pois é, esse programa é complicado substituir por outro livre, o ekiga é bom (chat e video), mas o que muita gente usa mesmo é o Skype. Vá no menu do GNOME em Sistema-Administração->Gerenciador de Pacotes Synaptic, dentro do Synaptic vá no menu Configurações->Repositório, acesse a guia “Programas de Terceiros” e então clique no botão “+Adicionar”, quando o synaptic pedir para voce adicionar a linha do apt, então você cola isso aqui :

deb http://download.skype.com/linux/repos/debian/ stable non-free

E em seguida clique em Adicionar Canal como mostra a figura a seguir :

Adicionando o repositório para instalar o skype

Após isso então clique em Fechar, e depois clique no botão superior chamado Recarregar, finalmente aguarde o processo de catalogação dos repositórios.

Vá em Pacote e clique em Procurar, e procure por “skype” (minusculo). Marque o pacote skype e mande aplicar a instalação.

Antes de iniciar a instalação o synaptic lhe questionará se quer realmente fazer isso, pois esse repositório não contém as seguranças exigidas, visto que o repositório parece ser confiável, responda “Sim”.

Para manter o Skype carregado sempre que sua sessão do GNOME iniciar, acesse seu novo menu do GNOME->Sistema->Preferencias->Sessões, então clique no botão “Adicionar” e preencha os campos nome, comando e comentario com skype.

[Editado rápidamente] A versão beta 2.0 do Skype já esta disponivel, com ela existe o suporte a WEBCAM, para instalar, vá até a página :

http://www.skype.com/intl/en/download/skype/linux/beta/choose/

E faça o download para a versão do Ubuntu Feisty (não se incomode por não ser para Gutsy), quando o Firefox solicitar “abrir com…” então voce deverá escolher gdebi-gtk na relação, se voce utiliza-lo não precisará usar o dpkg -i na linha de comando. Essa é uma novidade do Ubuntu Gutsy. Essa versão beta do Skype está muito boa, apesar duma interface muito feia, nem sempre a WEBCAM funciona de primeira.

25) Sai o laranja-marrom e entra o black-safira

Vamos mudar o tema laranja-marrom chamado de “Human” para um tema baseado na cor Preta chamada de “UbuntuStudio”. O “UbuntuStudio-Desktop” é um meta-pacote que reúne vários pacotes como ubuntustudio-gdm (tema para o gerenciador de login), ubuntustudio-theme (tema GTK que define cores dos componentes visuais) e o pacote ubuntustudio-wallpapers(algumas telas de fundo) que praticamente define toda aparência do ambiente. Na realidade acho esse tema extramemente carregado, ele defintivamente é muito bonito de observar, mas com o preto dominante e cores escuras auxiliares eu percebí que fiquei mais desatento. Só estou indicando o ubuntustudio-desktop apenas por se tratar das cores da moda, mas se voce não gosta de modismo e prefere o que é mais confortável visualmente, eu vou detalhar também um tema em azul bastante suave chamado “blubuntu”.

Para iniciar este procedimento vá em Sistema->Administração->Gerenciador de Pacotes Synaptic, a seguir vá em Editar->Localizar e procure por “ubuntustudio-desktop”. Marque este pacote e clique no botão “Aplicar” para iniciar a instalação.

Feita a instalação, vá até o Menu do GNOME em Sistema->Preferências->Aparência, na guia “Temas” voce verá uma relação de temas, numa delas entitula-se “Ubuntu Studio”, clique nele. A seguir uma mensagem dizendo “Este tema sugere um plano de fundo” aparecerá, então clique no botão “Aplicar plano de fundo” ao lado dessa mensagem :

Aplicando o tema ubuntu studio.

Algumas pessoas me disseram que o botão aplicar plano de fundo não apareceu, se este foi o seu caso, abra o nautilus e navegue até a pasta /usr/share/backgrounds/, lá voce encontrará os arquivos :

/usr/share/backgrounds/ubuntu-media-v2-2560×1600.png
/usr/share/backgrounds/ubuntustudio-gutsy-1.png
/usr/share/backgrounds/ubuntustudio-gutsy-2.png

Na realidade existem mais arquivos nessa pasta, mas apenas o três acima pertencem ao tema UbuntuStudio, provavelmente voce nem saberia da existencia dos demais se não estivesse lendo isso. Arraste todos estes arquivos para a guia “Plano de Fundo”, e a seguir defina qual delas será seu papel de fundo.

O ubuntu-studio é um tema bastante completo e automatizado, também inclui um tema para o gerenciador de login, acesse o menu do GNOME em Sistema->Administração->Janela de inicio de sessão, selecione a guia “Local” e na caixa “Tema” escolha a opção “Apenas o tema selecionado” e por fim selecione o tema “Ubuntu Studio V2″. Na caixa “cor de plano de fundo” voce vai clicar no botão ao lado para selecionar uma cor e a seguir selecione uma região da tela que use a mesma cor do tema como mostra a figura a seguir :

Selecionando cor de fundo do GDM.

Com isso, o tema UbuntuStudio entrará em funcionamento no seu computador.

Se voce substituir o painel inferior do GNOME pelo AWN (Avant-Window-Navigator), o UbuntuStudio se torna mais ergonomico na minha opnião, porém é mandatório voce usar o compiz, sem o compiz, o AWN não funciona.
Para instalar o AWN :

apt-get install -y avant-window-navigator-bzr awn-core-applets-bzr

Remova o painel inferior, clique com o botão direito sobre o painel e selecione a opção “Excluir este painel”.

Vá em Sistemas->Preferencias->Sessões e clique no botão Adicionar e adicione o programa avant-window-navigator à lista de programas iniciais :

programando o avant-window-navigator para iniciar automaticamente.

Reinicie o computador para ter certeza de que o AWN vai iniciar-se sozinho após o login.

Após o login, acesse novamente o menu do GNOME e vá em Sistema->Preferencias-Awn manager, procure a guia Aparencia da Barra e faça o seguinte ajuste :

  • no campo Look voce ajusta para a opção 3D Look. Isso inclinará a barra, dando um efeito 3D.
  • no campo Height voce muda de 48 para 32. Isso diminuirá a altura do AWN que eu considero exagerado. Quem usa muito a area de desktop pode até diminuir para 24. Menos que 24 fica tão pequeno que quando voce for clicar num icone em muitas oportunidades voce vai errar o alvo.

Também você deve configurar o painel superior do GNOME, pois com o painel black-safira e também o menu dos outros programas também black-safira, as opções as vezes se misturam com as janelas maximizadas e muitas vezes confunde, clique neste painel com o botão direito e em seguida “propriedades” e ajuste conforme a seguir :

Expandir automaticamente -> Desligado

Ocultar Automaticamente -> Ligado

A bara de menu do GNOME (onde fica as opções “Aplicações, Locais e Sistema”) são muito largas e ocupam boa parte da tela, por isso teremos de reduzi-la, clique em cima da barra de menu e com um clique com o botão direito, escolha a opção “Remover do Painel” :

Removendo a barra de menu do painel.

Mas calma, voce não ficará sem Menu, Clique novamente com o botão direito sob o painel e escolha “Adicionar ao Painel” e em seguida adicione o componente chamado de “Menu Principal”, ficando assim :

Novo menu no painel superior do gnome.

Para manter o AWN carregado sempre que sua sessão do GNOME iniciar, acesse seu novo menu do GNOME->Sistema->Preferencias->Sessões, então clique no botão “Adicionar” e preencha os campos nome, comando e comentario com avant-window-navigator.

Refaça o login e verifique se tudo está funcionando conforme o esperado. A minha area de trabalho ficou assim:

Minha area de trabalho usando o AWN.

Voce pode mudar o painel superior de lugar e desabilitar o auto-ocultar, veja esse exemplo :

Tela com painel do gnome em baixo.

26) Sai o laranja-marrom e entra o “azulão” 🙂

Agora se um tema Black-safira não faz sua cabeça, a seguir vamos detalhar um passo-a-passo para instalar o tema Blubuntu,na realidade se voce procurar no synaptic voce encontrará alguns temas com o sufixo “-look”, por isso, voce poderá usar a dica a seguir para qualquer tema que venha a instalar.

Para iniciar este procedimento vá em Sistema->Administração->Gerenciador de Pacotes Synaptic, a seguir vá em Editar->Localizar e procure por “blubuntu-look” :

Instalando o tema blubuntu

Marque e clique no botão “Aplicar” para iniciar a instalação dos pacotes, repita o mesmo procedimento para o pacote “gnome-art”.

Feita a instalação, vá até o Menu do GNOME em Sistema->Preferências->Aparência, na guia “Temas” voce verá aparecer o tema entitulado “Blubuntu”, clique nele. A seguir uma mensagem dizendo “Este tema sugere um plano de fundo” aparecerá, então clique no botão “Aplicar plano de fundo” ao lado dessa mensagem.

Também vamos ajustar o tema do gerenciador de login agora, vá ao menu do GNOME em Sistema->Administração->Janela de inicio de sessão, selecione a guia “Local” e na caixa Tema escolha a opção “Apenas o tema selecionado” e por fim selecione o tema Blubuntu. Na caixa “cor de plano de fundo” voce vai clicar no botão ao lado para selecionar uma cor e a seguir selecione uma região do tema que coincida para se tornar uma cor de fundo, como mostra a figura a seguir :

Escolhendo a cor de fundo no GDM.

Com esse ajuste, após o login a tela ficaria com o mesma cor de fundo que a utilizada pelo tema, sim eu disse “ficaria”, pois era assim que ficava até o Feisty. Mas no Ubuntu Gutsy, fica sempre o “marrom”, pelo menos no meu computador, apesar disso o procedimento é esse.

Ainda resta modificar a tela de splash-screen, vá até o menu do gnome em Sistemas->Preferências->Splash Screen (estranhamente não fica no tópico Aparência), habilite a opção “Show splash screen on startup” e a seguir “+ Install”, uma janela de dialogo para seleção do arquivo de splash screen aparecerá, nesse momento todas as temas de splash screen ficam em /usr/share/pixmaps/splash. Lá voce encontrará o arquivo “ubuntu-blubuntu.png” que lhe servirá de splash-screen. Após adicionar o arquivo de splash-screen “ubuntu-blubuntu.png”, clique nele na relação e em seguida o botão “Activate”. Pronto, splash-screen estará ativo no seu próximo login.

27) Salve seu repositório em CD

A esta altura voce deve ter baixado muitos pacotes e seria um disperdicio enorme voce ter de (re)fazer uma nova instalação e começar a baixa-los novamente. Para que isso nunca ocorra instale o pacote APTOnCD, ele funciona da seguinte forma : a medida que voce baixa novos pacotes pelo synaptic(ou apt-get) eles ficam gravados na pasta /var/cache/apt/archives, em teoria voce poderia move-los de lá colocando-os num CD por exemplo, naturalmente para esse CD ser reconhecido pelo Ubuntu (debian tambem) ele precisa cumprir certas formalidades, o que o APTOnCD faz é exatamente isso, transporta esses pacotes para uma mídia de CD/DVD que será reconhecido pelo Ubuntu como sendo um novo repositório pronto para ser reutilizado. Instale :

apt-get install aptoncd

Para gerar o seu CD, vá no menu do seu GNOME->Sistema->Administração->AptOnCD, para usa-lo é simples apenas clique no botão Criar :

aptoncd, tela passo 1

Na tela a seguir, mantenha todos os pacotes selecionados e clique em Gravar :

aptoncd, tela passo 2

Na tela seguinte defina onde será gerado o arquivo .iso que representará mais tarde o cd a ser gravado :

aptoncd, tela passo 3

Clique em aplicar e o arquivo .iso será gerado no local indicado, após a criação uma mensagem pedirá a confirmação para gravar o CD :

aptoncd, tela passo 4

como pode ver apenas 4 passos são necessários para salvaguardar tudo o que baixou da internet.

Para tornar o CD reconhecido como um repositório, basta colocar o CD na unidade e surgira a mensagem :

aptoncd, tela de reconhecimento do novo repositorio

Clique em iniciar o gerenciador de pacotes e pimba, o cd foi acrescentado como voce poderá ver através do menu do Synaptic em Configuraçõs->Repositórios e clicando na guia “Programas de Terceiros” :

aptoncd, tela de reconhecimento do novo repositorio #2

Isso testifica que o CDROM foi adicionado à lista de repositórios, se houverem outros CDs bastará inseri-los e clicar no botão Adicionar CDROM e estes serão adicionados também.

Voce poderá também usar o próprio AptOnCD para adicionar estes CDs, basta clicar no botão Restaurar ao invés de Criar como foi dito no inicio.

Conclusão

Com a aplicação dos passos acima, estou com o desktop praticamente pronto para uso genérico. Obviamente ainda tem as ferramentas de programação e ajustes cosméticos no GNOME, mas isso não fará parte do escopo desse artigo.

Fonte: hamacker.wordpress 

VirtualBox Personal para Ubuntu Gutsy

O VirtualBox é um software capaz de virtualizar inteiramente um hardware x86 (full virtualization).O VirtualBox possui duas licenças de uso : a versão comercial e a livre conhecida como Open Source Edition (OSE). As diferenças entre uma e outra são as seguintes, a versão comercial possui os seguintes recursos extras que a versão OSE não possui :

  • Possui um servidor RDP completo integrado, permitindo assim que usuários se conectarem com qualquer cliente RDP e rodar apenas um único aplicativo ou uma sessão inteira.
  • Suporte a USB (mesmo numa sessão interativa usando o RDP)

Com a licença comercial também lhe é permitido usa-lo sem pagar nada desde que seja para uso Pessoal ou para Avaliação.

Os repositórios do ubuntu possuem pacotes prontos para a versão OSE (virtualbox-ose).

Apesar disso, vou demonstrar como instalar a versão comercial. Estou presumindo que voce tenha o kernel-headers instalado no seu computador e compilar modulos não seja um problema. Se estiver tudo OK então siga os procedimentos :

1) Dê um ALT+F2 no seu teclado …

… e execute “gksu gnome-terminal”, com isso abrir-se-á um terminal com acesso de root.

2) Execute “gedit /etc/apt/sources.list” e acrescente ao final deste arquivo :

deb http://www.virtualbox.org/debian gutsy non-free

Depois salve o arquivo e saia do editor de textos.

3) Execute no terminal :

cd /tmp
wget http://www.virtualbox.org/debian/innotek.asc -O- | sudo apt-key add -
apt-get update

4) Removendo versão virtualbox-ose (se estiver instalado)

Não é possivel instalar a versão comercial do VirtualBox se houver a versão OSE instalada, por isso necessitamos de remove-la antes :

apt-get remove -y virtualbox-ose*

Com a versão OSE removida poderemos prosseguir com a instalação.

5) Para enfim iniciar a instalação, também execute no terminal :

apt-get install -y virtualbox

Prepare-se para 20MB de downloads.

6) Compilando o módulo vboxdrv

Se você não compilar um módulo chamado de ‘vboxdrv’, ao tentar rodar alguma VM vai tomar a seguinte mensagem de erro :

Erro se nao instalar o modulo vboxdrv

para resolver essa questão, execute este procedimento :

cd /usr/share/virtualbox/src
make
make install
ldconfig

Este procedimento não existe na versão virtualbox-ose porque esse módulo já vem pré-compilado.

7) Acrescente seu login ao grupo drvbox

adduser seulogin   vboxusers

8) Cadê o /proc/bus/usb/* ???

Aparentemente o Ubunu Gutsy removeu o suporte ao /proc/bus/usb/* , e este é necessário para que todos os usuários tenham suporte USB pelo VirtualBox, para corrigir a situação, execute no terminal :

gedit /etc/init.d/mountdevsubfs.sh

Por volta da linha 40, você encontrará :

#
# Magic to make /proc/bus/usb work
#
#mkdir -p /dev/bus/usb/.usbfs
#domount usbfs "" /dev/bus/usb/.usbfs -obusmode=0700,devmode=0600,listmode=0644
#ln -s .usbfs/devices /dev/bus/usb/devices
#mount --rbind /dev/bus/usb /proc/bus/usb

Pois é, habilite as 4 linhas acima que vão fazer a “magica para /proc/bus/usb funcionar”, ficando assim :

#
# Magic to make /proc/bus/usb work
#
mkdir -p /dev/bus/usb/.usbfs
domount usbfs "" /dev/bus/usb/.usbfs -obusmode=0700,devmode=0600,listmode=0644
ln -s .usbfs/devices /dev/bus/usb/devices
mount --rbind /dev/bus/usb /proc/bus/usb

Saia do editor e depois execute no terminal :

/etc/init.d/mountdevsubfs.sh start

A partir daí, os dispositivos USB estarão disponíveis a qualquer usuário, mas ainda é necessário que cada usuário tenha permissão para ler e escrever nestes dispositivos. O passo seguinte vai tratar disso.

9) Permissões em dispositivos USB

Execute no Terminal :

gedit /etc/udev/rules.d/40-permissions.rules

procure pela linha :

# USB devices (usbfs replacement)
SUBSYSTEM=="usb_device",        MODE="0664"

Faça um comentário na linha acima e adicione uma nova linha abaixo da mesma, com uma modificação fica assim :

# USB devices (usbfs replacement)
 #SUBSYSTEM=="usb_device",        MODE="0664" # linha original
 SUBSYSTEM=="usb_device", GROUP="floppy", MODE="0664"

Com a modificação acima, nós demos acesso a qualquer usuário que esteja incluso no grupo “floppy” (e por padrão todos os usuários criados também são inclusos nele). Se você quiser restringir o acesso a apenas você, basta trocar “floppy” por “seulogin”. Você pode também alterar o MODE=”0664″ por “0666″ e estará fazendo com que qualquer coisa (usuário ou não) tenham acesso, num notebook parece ser uma boa idéia, mas em outros casos pode não sê-lo.

10) Reinicie o computador

11) Manual do VirtualBox

O manual pode ser obtido no seguinte endereço :

http://www.virtualbox.org/wiki/Downloads

12) Para executar o VirtualBox …

Basta ir no menu do GNOME->Ferramentas do Sistema->Innotek VirtualBox :

Conclusão

O VirtualBox é muito bom e rápido, uma instalação típica do Windows 2000 professional levou apenas 12 minutos, incluindo o boot pelo CD. Possui alguns recursos interessantes como Seamless, onde teclar HOST+L e seu aplicativo (por exemplo o Internet Explorer) escapar da area de VM e ter a sensação que está rodando este aplicativo nativamente no Linux.

Não esqueça de que depois de ter instalado o MSWindows numa VM voce precisará instalar tambem alguns programas adicionais, dentro do VirtualBox e com o Host rodando Windows voce vai até o menu em Dispositivos->Instalar adicionais para convidado, com isso, programas adicionais serão instalados que darão mais veersatilidade e velocidade à VM.

Obs: A tecla HOST é uma tecla dedicada ao VirtualBox (por padrão o CTRL do lado direito), com ela você consegue cambiar entre o HOST e o sistema hospedeiro ou entre o HOST e as principais opções do VirtualBox.

Fonte: hamacker.wordpress

Categorias:HowTo's, Linux, TI Tags:, ,

Aplique o tema da Apple Mac OS X no seu GNOME

22 janeiro, 2008 3 comentários
As vésperas do lançamento do incrivel, fenomenal, magnifico sistema operacional da Apple, Mac OS X Leopard, muitas pessoas especulam sobre o lançamento e suas hiper-super-maneiro apelos visuais e novas aplicações. Tirando o sarcasmo de lado, é inegável a aptidão da Apple em trabalhar com o visual de suas aplicações de software e hardware. O que você acha de fazer uma homenagem à Apple e instalar no seu computador um tema semelhante ao utilizado e criado pela Apple, o Apple OS X Leopard ?

Eu escolhí um tema chamado mac4lin, no entanto, há diversos outros, uns mais parecidos, outros menos parecidos, existe até uma designação chamada de “ish” para o estilo mac se você procurar em www.gnome-look.org. Se voce não quiser fazer nenhuma homenagem à Apple, mas ainda assim gostaria de aplicar um tratamento de beleza cosmético no seu Ubuntu Gutsy, então siga a receita. Apesar de ter sido usado o Ubuntu Gutsy, as regras a seguir servem a qualquer GNOME de qualquer distribuição desde que a versão seja superior a 2.18.

1) Obtendo os pacotes-temas para o GNOME

Primeiramente vá ao endereço http://sourceforge.net/projects/mac4lin, você precisará baixar de lá 3 arquivos :

Mac4Lin_v0.3.tar.gz
Mac4Lin_Icons_v0.3_for_GNOME_2.18_ONLY.tar.gz
Wallpapers_Mac4Lin_v0.3.tar.gz

Extraia todos estes arquivos num mesmo diretório, ao extraí-los serão criadas as seguintes pastas :

Mac4Lin_v0.3
Mac4Lin_Icons_v0.3_for_GNOME_2.18_ONLY
Wallpapers_Mac4Lin_v0.3

2) E no principio era apenas o terminal…

Primeiramente vamos precisar dum terminal com acesso de `root`, dê um ALT+F2 e execute “gksu gnome-terminal”, após a carga do terminal, vamos precisar de instalar os pacotes `gnome-art`, `usplash` e `startupmanager` que são importantes para aplicação desse passo a passo.

apt-get install gnome-art usplash startupmanager

3) Instalando novas fontes

Agora que voce tem um terminal com aceesso de “root”, vá até a pasta “Mac4Lin_v0.3/Fonts” que foi descompactada e a seguir execute :

tar zxvf /onde/descompactei/o/arquivo/Mac4Lin_v0.3/Fonts/OSX_Fonts.tar.gz -C /usr/share/fonts/truetype

Precisaremos de algumas fontes microsoftianas, por isso também execute :

apt-get install -y msttcorefonts

[atualização] Instalando a problemática fonte “Aquabase”Aparentemente uma fonte chamada de “Aquabase” não é mais disponibilizada pelo pacote acima, eu provavelmente há tenho no meu sistema por outras razões, assim vamos ter que baixa-la diretamente do sítio da Apple, portanto visite a página http://www.osx-e.com/downloads/misc/macfonts.html e faça o download dessas fontes que estão sendo disponibilizadas em formato .zip.

Estão inclusos nesso pacote Fonts.zip, as fontes :

AppleGaramond-BoldItalic.ttf
AppleGaramond-Bold.ttf
AppleGaramond-Italic.ttf
AppleGaramond-LightItalic.ttf
AppleGaramond-Light.ttf
AppleGaramond.ttf
Aquabase.ttf
LITHOGRL.TTF
Lucida Grande Bold.ttf
Lucida Grande.ttf
Lucida MAC Bold.PFB
Lucida MAC Bold.pfm
Lucida MAC.PFB
Lucida MAC.pfm
lucon.ttf
MACGRAND.PFB
MACGRAND.PFM

Após baixar tais fontes, instale-as copiando-as para a pasta /usr/share/fonts/truetype :

cd /onde/baixei/o/arquivo
unzip Fonts.zip
cp Fonts/*.ttf /usr/share/fonts/truetype/
cp Fonts/*.TTF /usr/share/fonts/truetype/

Outro formato das mesmas fontes (.pfm e .pfb) estão incluídas no mesmo pacote, então não vamos disperdiça-las :), mas cuidado com o case-sensitive no nome dos arquivos :

cp Fonts/*.PFB /usr/share/fonts/type1/gsfonts/
cp Fonts/*.pfm /usr/share/fonts/type1/gsfonts/

Por fim, devemos catalogar as novas fontes instaladas com o comando :

fc-cache -f -v
dpkg-reconfigure fontconfig

Vamos prosseguir e alterar as fontes usadas no GNOME, carregue o Preferências de Aparência em Sistema->Preferências->Aparência (vamos chama-lo daqui em diante de gerenciador de temas), após isso vá até a orelha “Fontes”, ela deverá ficar assim :

Fonte de aplicações : Bitstream Vera Sans Roman, tamanho 8,59961.
Fonte de documentos : Aquabase, Tamanho 9.
Área de Trabalho : Trebuchet MS Negrito, tamanho 9.
Fonte do título de janelas : Lúcida Grande Bold, tamanho 9.
Fonte de largura fixa : Bitstream Vera Sans Mono Roman, tamanho 10.

Alerta : Antes de fazerem tal modificação, atente-se de que deve anotar as fontes que estão sendo usadas no seu sistema para o caso de não alcançarem o efeito desejado, além disso a renderização é necessária, no meu caso “Suavização de Subpixel”, para você poderá ser outra.

3.b) [OPCIONAL E NÃO RECOMENDADO] Ajuste nas configurações das fontes conforme orientação do autor do tema

Há um ajuste do autor que diz respeito a alteração do comportamento e a renderização das fontes que você pode não gostar, em meu computador a aplicação do passo a seguir deixará as fontes como você vê nos screenshots, mas alguns estão reportando fontes serrilhadas que normalmente ocorre com a má otimização no sistema de renderização das fontes, portanto pule o comando a seguir, ou execute-o, mas com cautela, isto é, faça a cópia dos arquivos originais como sugerido e anote as fontes usadas atualmente. Para ser sincero, as fontes do seu sistema já são muito boas, igual ao MAC OSX não as deixará melhor na minha opnião, enfim, se quer deixar exatamente parecido ao Mac OS X então :

mkdir -p /etc/fonts/backup
cp -v /etc/fonts/*  /etc/fonts/backup
tar xvjpf fontconfig.tbz -C /etc/fonts/
fc-cache -f -v
dpkg-reconfigure fontconfig

Mais tarde se você arrepender-se desse ajuste então poderá copiar o conteúdo da pasta “/etc/fonts/backup” para o local original com o seguinte comando :

sudo cp -vf /etc/fonts/backup/*  /etc/fonts/
fc-cache -f -v

dpkg-reconfigure fontconfig

E voltará a ser o que era antes.

4) Instalando novos cursores

Carregue o gerenciador de temas, após isso vá até a pasta recém descompactada “Mac4Lin_v0.3/Cursors” e arraste o arquivo `Mac4Lin_v0.3_Cursors.tar.gz` para dentro da janela do gerenciador de temas. Cada vez que você arrastar e soltar um .tar.gz com um tema dentro, o gerenciador de temas vai questiona-lo se deseja aplicar este tema, o mais indicado é responder ’sim’ daqui para frente.

Tela de configuração cursor :

Escolhendo o cursor com estilo de Mac OS X.

5) Instalalando e configurando os sons

Novamente vá até a pasta recém descompactada “Mac4Lin_v0.3/Sounds’ , lá você encontrará o arquivo “OSX_Sounds_v0.3.tar.gz” que possui uma coleção de sons .wav temático do OS X. Para instala-lo :

tar zxvf /onde/descompactei/o/arquivo/Mac4Lin_v0.3/Sounds/OSX_Sounds_v0.3.tar.gz -C /usr/share/sounds

Agora volte para o menu em Sistema->Preferencias->Som, escolha a orelha “Sons” e lá voce encontrará uma tela semelhante a :

Preferencias de som

Clique em cada caixa de seleção de musica e escolha os efeitos sonoros conforme mostrado acima, os efeitos sonoros exclusivos estarão na pasta /usr/share/sounds/OSX_Sounds_v0.2. Obviamente a idéia acima foi apenas um exemplo, há muitos outros arquivos que podem ser usados na mesma pasta.

Alerta : Se você já possui uma coleção de sons já configurado não esqueça de anota-las antes dessa modificação, isto é requerido caso você não goste da combinação acima.

6) Instalando o tema versão Metacity (padrão do gnome)

Se você usa outro gerenciador de janelas como por exemplo o emerald então pule este passo.

Vá até a pasta recém descompactada “Mac4Lin_v0.3/GTK Metacity Theme’ , lá há dois temas incluídos, Normal e Aqua. O tema Normal contem botões sem o estilo aqua, enquanto o outro abusa desses efeitos “aqua”. O procedimento é o mesmo, apenas arraste um ou os dois temas para dentro do gerenciador de temas.

7) Instalando novos ícones

Carregue novamente o gerenciador de tema, após isso vá até a pasta recém descompactada “Mac4Lin_Icons_v0.3_for_GNOME_2.18_ONLY/Mac4Lin_Icons” e arraste o arquivo `Mac4Lin_Icons_v0.3_for_GNOME_2.18.tar.gz` para dentro da janela do gerenciador de temas. Quando você arrastar e soltar então o gerenciador de temas vai questiona-lo se deseja aplicar este tema, responda ’sim’. O readme desse pacote diz claramente que é para ser usado apenas no GNOME 2.18 e não na versão 2.20 citando nominalmente o Ubuntu Gutsy e OpenSuSE, apesar disso não tive problemas. Se voce tiver problemas com esse conjunto de ícones por seu sistema ser GNOME 2.20 então recomendo que voce instale este outro conjunto de ícones, o procedimento é exatamente o mesmo.

Para exibir ícones na area de desktop como “Meu Computador”, “Minha Pasta Pessoal”, “Servidores de Rede” e “Lixeira”, faça assim, dê um ALT+F2 e execute “gconf-editor” e a seguir procure por essa chave apps->nautilus->desktop e habilite as seguintes entradas conforme sua necessidade de exibir tais ícones na area de desktop :

  • Computer Icon Visible = Meu Computador
  • Home Icon Visible = Minha Pasta Pessoal
  • Network Icon Visible = Servidores de Rede
  • Trash Icon Visible = Lixeira

Exemplo da aparencia da tela com os ícones temáticos :

Icones temáticos do Mac OS X.

8) Instalando novos papeis de parede

Carregue novamente o gerenciador de tema, escolha a orelha “Plano de Fundo” e após isso vá até a pasta recém descompactada “Wallpapers_Mac4Lin_v0.3/Wallpapers_Mac4Lin_v0.3″ e arraste todos os arquivos (use o mouse para selecionar todos) para dentro da janela onde exibe todos Planos de Fundos. Quando voce arrastar e soltar então todos os papeis de paredes utilizados no Mac OS X estarão relacionados.

9) Instalando o tema para o Emarald

Se você não usa o gerenciador de janelas Emerald, pule este tema.

Carregue o gerenciador de temas do Emerald, vá em Sistema->Preferências->Emerald Theme Manager, a seguir vá em “Temas” e clique no botão “Importar”, e ao ser questionado para selecionar o arquivo então escolha-o dentre a récem descompactada pasta “Mac4Lin_v0.3/Emerald/Mac4Lin_Emerald_v0.3.emerald” e aplique o novo tema.

10) Tema para o gerenciador de login (GDM)

Carregue o gerenciador de login, vá em Sistema->Administração->Janela de Inicio de Sessão, em seguida selecione a orelha “Local”, também na opção “Tema” escolha a opção “Apenas selecionado”. Você perceberá que logo abaixo há uma relação de temas a serem selecionados, a partir daí apenas arraste o conteúdo da pasta recém descompactada “Mac4Lin_v0.3/GDM Theme/Mac4Lin_v0.3_GDM.tar.gz” para a janela onde há essa relação de temas. Você será questionado se deseja realmente instalar este tema, escolha “sim” e a seguir verá como opção de tema, um item chamado “Mac OS X Leopard” na relação, agora é só seleciona-lo e aplicar. Na próxima vez que fizer o seu login notará uma diferença agradável.

11) Tema para o splash screen do GNOME

Carregue o gerenciador de splash screen do gnome, vá em Sistema->Preferencias->Splash Screen, a seguir ative a opção “Mostrar splash screen no inicio” (em inglês : Show splash screen on startup). Após isso ative o botão “Exibir splash screen no inicio” (em inglês : “Show splash screen on startup”) e em seguida clique no botão “+ Instalar” (em inglês : “+ Install”) e selecione os 4 arquivos que estão na pasta recém descompactada “Mac4Lin_v0.3/GTK Splash/”. Esse procedimento é chato porque você não pode arrastar e soltar todos de uma única vez, tem que incluir individualmente os 4 arquivos de splash-screen. Após incluir todos, selecione uma que lhe agrade na tela principal e clique no botão “Ativar” (em inglês : “Activate)” em baixo. Na próxima vez que fizer o seu login notará a diferença.

12) Tema para o Firefox

Antes de instalar os temas é preciso instalar algumas extensões que acompanham o tema, para instala-los carregue o Firefox e vá em Ferramentas->Complementos e a seguir selecione a orelha “Extensões” (ou “Complementos” em algumas versões), e arraste todos os arquivos que encontrar na pasta recém descompactada “Mac4Lin_v0.3/Mozilla Themes/Extensions/” com as seguintes extensões :

custom_buttons.xpi
fission.xpi
stop_reload_button.xpi

Para a janela do Firefox contendo os complementos, e então instale todas essas extensões. Achei essas extensões bem agradáveis, o status de progressão por exemplo se utiliza da própria barra de URL.

Então por fim arraste também o arquivo-tema “FireFox Safari Skin – Vfox2.jar” que se encontra em “”Mac4Lin_v0.3/Mozilla Themes/” e aplique o novo tema. Reinicie o firefox se desejar saber como ficou a aparência dele. O Firefox depois de re-estilizado fica assim :

Tema do apple Mac OS X aplicado no firefox.

13) Instalando o dock Avant-Window-Navigator (somente para usuários do compiz/XGL)

A instalação do Avant-Window-Navigator só é recomendada para aqueles que usam o compiz/XGL, se não pode usa-los então sugiro a instalação do SimDock, que é tão bonito quanto o AWN, porém não requer compiz/XGL. O SimDock também pode ser estilizado para Mac, no entanto, você vai ter que ler a documentação do mac4lin e descobrir.

Algo também importante na instalação do AWN é que este painel ficará sobre o painel inferior do GNOME que normalmente traz a lista de tarefas, alternador de desktops e lixeira, assim, é sugerivel que voce exclua este painel, como ? Clique com o botão direito sobre este painel inferior e escolha a opção “Excluir este painel”. Se voce não gostar do AWN e quiser retornar o painel inferior do GNOME então vá até o painel superior e clique novamente com o botão direito e escolha a opção “Novo Painel”, daí é só arrastar o painel recém-criado para a base inferior e adicionar os itens que haviam antes, como ? clique com o botão direito sobre o painel recém-criado e escolha “Adicionar ao Painel” e adicione os seguintes itens (na ordem) : “Mostrar a área de trabalho”, “Lista de Tarefas”, “Alternador de espaços de trabalho” e “Lixeira”.

Antes de prosseguir, voce terá de acrescentar um repositório não oficial, supondo que você esteja no terminal sudo (senão execute com ALT+F2 : gksu gnome-terminal) :

gedit /etc/apt/sources.list

e acrescente as seguintes linhas :

##Avant Window Navigator
#wget http://download.tuxfamily.org/syzygy42/reacocard.asc
#sudo apt-key add reacocard.asc
deb http://download.tuxfamily.org/syzygy42 gutsy avant-window-navigator
deb-src http://download.tuxfamily.org/syzygy42 gutsy avant-window-navigator

salve o arquivo, e saia do editor.

Também execute no terminal (ainda como root) :

wget http://download.tuxfamily.org/syzygy42/reacocard.asc
apt-key add reacocard.asc

E por fim atualize sua base de dados do apt e instale o avant-window-navigator :

apt-get update
apt-get install -y avant-window-navigator-bzr awn-core-applets-bzr

É possivel acrescentar neste dock um tema especifico para Mac OS X Leopard, para adiciona-los voce terá de ir no menu do GNOME e acessar Sistema->Preferencias->Awn Manager, ou apenas dê um ALT+F2 e execute “awn-manager” então após isso, do seu lado esquerdo você verá as seções que podem ser personalizadas neste aplicativo, escolha o item “Themes” e então clique no botão “Adicionar” (sim tem partes desse programa em português e outras em inglês) escolha o tema da pasta recém descompactada “Mac4Lin_v0.3/Docks/Avant Window Manager Themes/” onde há dois temas, adicione os dois. Inicialmente os dois temas não aparecerão na relação, isto tem a ver com o funcionamento do AWN onde operações recentes não aparecem até que voce clique no botão “Atualizar” que fica lá no rodapé da aplicação então portanto clique em atualizar e se ainda assim não funcionar então clique em “Fechar” e reinicie o próprio Awn Manager. Ainda no Awn Manager, clique na sessão “Themes” e você verá os temas que foram adicionados, clique no tema que for de seu agrado e em seguida clique no botão “Aplicar”.

Para fazer aparecer este dock vá no menu em Aplicações->Acessórios->Avant window navigator.

Para tornar este Dock padrão em sua sessão, vá em Sistema->Preferências->Sessões e clique em “Adicionar” e inclua o programa “avant-window-navigator”. Este Dock não contém apenas um visual elegante, nele encontrará alguns applets verdadeiramente interessantes que podem até substituir algumas opções que você talvez esteja acustumado no painel do gnome, para ser sincero, voce pode até excluir o painel inteiro do GNOME (só não me pergunte como fazer isso, apenas sei como oculta-lo). Por exemplo, o applet Awn Main Menu substitui com vantagens o menu principal do GNOME, pode conferir.

Uma amostra de como fica o Avant-Window-Navigator :

Uma amostra de como fica o Avant-Window-Navigator.

14) Estilizando o Pidgin para ficar com cara de uma aplicação Mac OS X

Antes de prosseguir é necessário voce fechar totalmente seu Pidgin.

Novamente vá até a pasta recém descompactada “Mac4Lin_v0.3/Pidgin’ , lá voce encontrará os seguintes arquivos :

pidgin_awn_plugin.tar.gz
pidgin-osx-theme-black.tar.gz
pidgin-osx-theme.tar.gz

Descompacte o arquivo “pidgin_awn_plugin.tar.gz” em /usr/lib/pidgin :

tar -zxvf /local/onde/esta/Mac4Lin_v0.3/Pidgin/pidgin_awn_plugin.tar.gz -C  /usr/lib/pidgin/

Os outros dois arquivos são temas com ícones animados do Pidgin, se voce preferir utilizar um estilo mais dark :

tar -zxvf /local/onde/esta/Mac4Lin_v0.3/Pidgin/pidgin-osx-theme-black.tar.gz  -C /usr/share/pixmaps

Ou se preferir o outro um estilo classico :

tar -zxvf /local/onde/esta/Mac4Lin_v0.3/Pidgin/pidgin-osx-theme.tar.gz -C /usr/share/pixmaps

Carregue novamente o Pidgin, vá em Ferramentas->Plugins, e na relação de plugins existente você deverá procurar e ativar o plugin “AWN Plugin” e em seguida feche o Pidgin.

Vá em Sistema->Preferencias->AWN Manager, escolha a sessão “Launchers” e clique no botão “Adicionar” e adicione o programa “pidgin”, se voce quiser poderá acrescentar também outros aplicativos que você utilize muito, por exemplo, o Firefox. Nessas operações de acrescentar itens em “Launches” é sempre recomendável reiniciar o AWN senão os ícones dos programas adicionados ficam “borrados” ou com altura desproporcional.

Carregue o Pidgin novamente, dessa vez voce perceberá que irá aparecer no Dock do Avant-Window-Navigator, mas tem um efeito colateral, ele aparece também na bandeja do GNOME, e isso confunde, opcionalmente voce resolve isso indo até a tela principal do Pidgin e em seguida Ferramentas->Preferencias, e na Orelha “Interface” haverá uma opção chamada “Mostrar ícone na bandeja” que deverá estar posicionada em “Nunca” . A bandeja do GNOME, conhecida também pelo nome de “Area de Notificação” poderia ser removida, pois o AWN também acompanha um applet para a mesma tarefa, mas isso é decisão pessoal porque há programas que incluídos na Bandeja do AWN descaracterizam o Dock e fica muito feio, isso ocorre especialmente com ícones que originalmente são muito grandes e o AWN mostra-os no tamanho original.

15) Telas de boot (usplash e grub)

Também é possivel modificar a tela de seleção de boot do grub e o splash screen quando o sistema inicia-se. Antes de prosseguir atente-se para o seguinte fato, o aplicativo que voce está preste a instalar é capaz de personalizar o grub de uma forma bastante abrangente que pode esbarrar em limites conhecidos por sua placa de video, portanto, use as instruções a seguir por sua conta e risco.

O startup-manager é um excelente front-end para configurar o sistema de boot, o grub. No entanto, dependendo das configurações que voce utilizar poderá até mesmo incapacitar o sistema de boot de sua máquina, por isso vamos fazer uma cópia da configuração atual do GRUB :

sudo cp /boot/grub/menu.lst /boot/grub.menu.lst.copy

Vá em Sistemas->Administração->Startup-Manager, eis a tela a seguir :

Tela do Startup Manager.Tela do Startup Manager (aparencia).

O primeiro ajuste é ir até a orelha “Appearance”, habilite a opção “Use colors in bootloaders menu”.

Clique no botão “Manage bootloaders themes…” e a seguir no botão “Adicionar” e adicione todos as imagens .xpm.gz alistados na pasta recém descompactada em “Mac4Lin_v0.3/Grub Splash/*.xpm.gz”, a seguir habilite a opção “Use Background image for bootloader menu” e finalmente na caixa “Grub Background Image” voce seleciona uma das telas que voce adicionou, por exemplo, mac07.

Também clique no botão “Manage usplash themes…” e a seguir no botão “Adicionar” e adicione todos os temas .so alistados na pasta recém descompactada em “Mac4Lin_v0.3/Usplash/*.so”, a seguir em “Usplash Theme” seleciona um dos temas que voce adicionou, por exemplo, gangstaosx.

A combinação acima é apenas um exemplo, para verificar o seu funcionamento reinicie o computador. Novamente vale a pena ressaltar de que dependendo da combinação em “Boot Options”, o GRUB e o tema dele podem falhar se sua placa de video não portar tais resoluções indicadas no modo de vídeo vesa.

Alerta : Ao usar o tema de boot de um MacOS X, os textos de boot serão suprimidos, isso causará uma inconveniencia : quando o fsck quiser vazer uma checagem de disco você não conseguirá vê-lo e provavelmente concluirá que o micro travou. Por isso quando o boot demorar, apenas aguarde, não adiantará reiniciar o computador porque o processo se repetirá novamente.

16) Confira a aplicação do tema

Gerenciador de temas não é muito confiável quando voce pede para ele aplicar os temas e cursores automáticamente. Portanto, sugiro você verificar como o seu tema ficou no final. Acesse o menu do GNOME e vá em Sistemas->Preferencias->Aparência e confirma se o tema selecionado e chamado de “Personalizado” está configurado conforme indicado abaixo e faça as mudanças necessárias :

Tema : Personalizado (duplo clique nele)

Controles : Mac4Lin_GTK_Aqua_V0.3

Cores : n/a

Margem da Janela : Mac4Lin_GTK_Aqua_V0.3

Ícones : Leopard_Icons_v0.3

Cursor : Mac OS X

Se tudo está conforme esperado, então feche o gnome-terminal.

17) Um painel enxuto

Se voce esta usando o AWN, deve reparar que o painel superior do GNOME ocupando 100% da largura da tela não ficou bom.

O segredo aqui é clicar com o botão direito sob um ponto vazio desse painel e escolher a opção propriedades, a seguir na orelha “Geral” desmarcar a opção “Expandir”, também na orelha “Fundo” escolher a opção “Cor solida” com o estilo 100% transparente como pode ver a seguir :

propriedades do painel do gnome - geral.propriedades do painel do gnome - fundo.

Uma outra modificação seria remover a “Barra do Menu” do painel, pois este torna-o desnecessariamente largo, como faze-lo ? Simplesmente clique com o botão direito sobre a “Barra do menu” do painel e em seguida escolher a opção “Remover do Painel” :

propriedades do painel do gnome - removendo barra de menu.

Mas não é ruim ficar sem o menu principal ? Sim, é. Acontece que o painel do gnome é super-estável e o AWN ainda não, se você ficar sem o AWN simplesmente não terá mais acesso a nenhum item de menu e vai ter que apelar sempre para o ALT+F2 para executar seus programas.

Por essa razão é bom manter um menu, porém é desnecessário a “barra de menu”, existe um outro applet para este painel que é muito mais enxuto, é o …. “Menu Principal”. Peraí, mas não é o mesmo ? Não, não é. Existem dois applets alistados que podem ser adicionados ao painel do gnome : “Barra de Menu” e “Menu Principal”. A diferença entre ambos é que o “Menu Principal” é apenas um botãozinho que dá acesso a todo menu do gnome, enquanto a ¨Barra de Menu” inclui além do botão, as opções “Aplicações”,”Locais” e “Sistema” horizontalmente. Para acrescentar o enxuto “Menu Principal” apenas clique com o botão direito sob uma area vazia do painel e em seguida clique em “Adicionar ao Painel” e na relação de applets inclua apenas o “Menu Principal”, seu painel ficará assim :

propriedades do painel do gnome - apos configuracao.

Obviamente também pode-se remover applets que voce não use e tornar esse painel ainda mais enxuto.

Embora haja receitas de remoção do painel por completo (isso daria um aspecto definitivo de Mac OS X), não recomendo essa operação porque algumas funcionalidades do GNOME estão atreladas ao funcionamento desse painel, desde o ALT+F2 para executar comandos até as janelas de dialogo de impressão.

18) A cereja a gente deixa para o final

Para concluir este artigo vamos mudar o ícone principal do Menu do AWN, que provavelmente tem essa aparência :

Icone original do menu principal do GNOME.

Que não é feio, porém vou demonstrar como trocar para :

icone substituto de menu

O segredo para realizar essa operação é saber que todos os ícones usados pelo tema original encontram-se em /home/seulogin/.icons/Leopard_Icons_v0.3/scalable e estão no formato .png, o gnome e o AWN usa o seguinte ícone em /home/seulogin/.icons/Leopard_Icons_v0.3/scalable/places/gnome-main-menu.png como ícone principal do menu, então o que devemos fazer ? Apenas substituir este arquivo por outro. Vamos por a mão na massa, primeiro vamos fazer o backup do ícone velho, carregue o Terminal e execute :

cp  /home/seulogin/.icons/Leopard_Icons_v0.3/scalable/places/gnome-main-menu.png \
  /home/seulogin/.icons/Leopard_Icons_v0.3/scalable/places/gnome-main-menu-anterior.png

Agora nós faremos a substituição conforme falado :

cp /home/seulogin/.icons/Leopard_Icons_v0.3/scalable/apps/nautilus.png \
   /home/seulogin/.icons/Leopard_Icons_v0.3/scalable/places/gnome-main-menu.png

Ainda assim há outras opções, por exemplo :

logo 2logo 3logo 4logo 5logo 6logo 7

Gostou de algum deles ?

Se a resposta for “sim”, repita a mesma operação, as opções acima são respectivamente os ícones :

cp /home/seulogin/.icons/Leopard_Icons_v0.3/scalable/apps/48/distributor-logo.png \
   /home/seulogin/.icons/Leopard_Icons_v0.3/scalable/places/gnome-main-menu.png
cp /home/seulogin/.icons/Leopard_Icons_v0.3/scalable/apps/48/distributor-logo1.png \
   /home/seulogin/.icons/Leopard_Icons_v0.3/scalable/places/gnome-main-menu.png
cp /home/seulogin/.icons/Leopard_Icons_v0.3/scalable/apps/48/distributor-logo3.png \
   /home/seulogin/.icons/Leopard_Icons_v0.3/scalable/places/gnome-main-menu.png
cp /home/seulogin/.icons/Leopard_Icons_v0.3/scalable/apps/48/distributor-logo5.png \
   /home/seulogin/.icons/Leopard_Icons_v0.3/scalable/places/gnome-main-menu.png
cp /home/seulogin/.icons/Leopard_Icons_v0.3/scalable/apps/48/distributor-logo6.png \
   /home/seulogin/.icons/Leopard_Icons_v0.3/scalable/places/gnome-main-menu.png
cp /home/seulogin/.icons/Leopard_Icons_v0.3/scalable/apps/48/distributor-logo8.png \
   /home/seulogin/.icons/Leopard_Icons_v0.3/scalable/places/gnome-main-menu.png

Mas esses icones acima não são tão interessantes porque usam tamanho 48×48 pixel, pequenos demais para serem usados no AWN e na minha opnião ficam feios, a forma ideal de utiliza-los seria edita-los com o Gimp e fazer um “alargamento das dimensões” para 128×128 px.

Conclusão :

Ainda existem alguns outros ajustes que voce poderia fazer como por exemplo configurar o exaile(conjugado com o AWN) e XMMS, infelizmente não dá para mencionar todas as possibilidades, mas se voce estiver interessado há um PDF descrevendo passo a passo todos os itens que mencionei e ainda mais alguns outros. Esse PDF encontra-se na página do projeto do mac4lin (http://sourceforge.net/projects/mac4lin), na área de downloads.

Há temas melhores na minha opnião, este tema deixa muito parecido com o Mac OS X enquanto outros temas “ish” deixam a tela mais esmerada sem tentar ser exatamente igual ao tema do Leopard. Por exemplo, eu já estou acostumado com os botões minimizar, maximizar, shade,…todos para o lado direito, eles irem para a esquerda não é muito prático para mim. Mas enfim, é apenas um test-drive, alguns gostam enquanto outros não, mas é bom participar de um test-drive antes de opinar, não ?

O artigo acima foi direcionado a demonstrar a flexibilidade que o Linux e seus softwares gráficos como o GNOME dão ao usuário em modificar praticamente todos os controles gráficos do sistema, desde o GRUB até o ícone que aparece no Menu do GNOME. Não estou incentivando ninguém a mudar a aparência do seu GNOME para Mac OS X por causa das vantagens desse, até porque apesar da aparência de Mac ainda é Linux e Compiz. A escolha por aplicar um tema de Mac OS X se deve ao fato do futuro lançamento do MAC OS X Leopard estar próximo, ou seja, apenas aproveitar a oportunidade.

Fonte: hamacker.wordpress 

Categorias:HowTo's, Linux, TI Tags:, ,